starlight

Starlight

darksky

Com os pés bem assentes na terra, viramos a cabeça para cima e descobrimos novas e melhores formas de olhar para o céu.

Dark Sky Aldeias do Xisto – À luz das estrelas entre o céu e a terra

O céu escuro das Aldeias do Xisto é único, não só por reunir condições de excelência para ser observado, mas porque o que está por baixo dele é também absolutamente distintivo. É desta relação entre a terra e o céu que surgem as oportunidades que o Dark Sky Aldeias do Xisto explora, potencia e dinamiza, unindo turismo, desenvolvimento territorial, ciência e inovação. A articulação de marcas e parceiros, a implementação de um observatório e respetivo projeto de design lumínico, a criação de uma oficina móvel ligada ao céu escuro, a formação técnica de parceiros, o acolhimento técnico e científico, a ativação e animação deste novo destino, o marketing nacional e internacional e a avaliação de impacto são os eixos estratégicos do projeto Dark Sky Aldeias do Xisto.

Da aparente debilidade nasceu o recurso

Aquilo que nos liga ao essencial manifesta-se relacionando-nos com a natureza, com o espírito comunitário e também com o firmamento, com o cosmos. Se conseguíssemos desligar todas as luzes da terra, o céu tornar-se-ia maravilhoso e espantoso em todo o lado. Infelizmente, à medida que vamos ligando as luzes, vamos desligando o céu. É esse fenómeno que permite que o céu das Aldeias do Xisto tenha sido certificado como um dos céus raros no mundo, fundamentalmente no mundo ocidental. Aquilo que protegeu este recurso fantástico é uma aparente debilidade: a ausência de atividade económica, uma rarefação populacional, menos luz, menos poluição luminosa, conjugado com um relevo enrugado, uma orografia muito particular da cordilheira central que protege da poluição luminosa do litoral.

Aldeias do Xisto têm certificação Starlight Tourism Destination

A Fundação Starlight atribuiu, em 2019, ao Dark Sky Aldeias do Xisto, a certificação Starlight Tourism Destination. A par das excelentes condições de visibilidade, transparência e escuridão do céu, baixa poluição luminosa e número de npites de céu limpo, este reconhecimento atesta também o compromisso entre as entidades públicas, privadas e científicas, bem como a prontidão e a qualidade dos serviços turísticos, amplificada pelo genuíno interesse da comunidade residente. Além de tudo isto, pelos 50% das noites são limpas e permitem observar o céu sem constrangimentos. Esta súmula de fatores conforma um novo caminho para relação deste território com o céu, que extravasa a mera observação para se assumir como uma aposta estratégica que concilia o desenvolvimento turístico, a integração com o sistema científico e tecnológico, a sustentabilidade social e ambiental, a capacitação das pessoas e o estímulo à economia. As Aldeias do Xisto juntaram-se, assim, ao primeiro Starlight Tourism Destination do mundo, o Dark Sky® Alqueva. Já em 2020, o céu do Vale do Tua tornou-se a primeira área protegida em Portugal a receber esta certificação.

O direito ao céu escuro

A Starlight Foundation reconhece que a observação das estrelas sempre foi uma inspiração para o desenvolvimento de culturas e civilizações, daí decorrendo muitos dos avanços técnicos e científicos que marcaram o progresso da humanidade. Porém, as condições de observação do céu noturno têm vindo a degradar-se a um ritmo preocupante, num processo que coloca a humanidade perante uma perda cultural, científica e natural de consequências imprevisíveis. Nesse sentido, a atuação da Fundação reconhece o valor e a importância da relação do homem com as estrelas, pugnando pela conservação, proteção e valorização deste património coletivo. Uma missão com a qual as Aldeias do Xisto se identificam e que, com este projeto, assume como sua também. 

O maravilhamento simbólico 

No fundo, aqui nas Aldeias do Xisto, é só o que basta: olhar para cima numa noite límpida de Lua Nova e simplesmente deixarmo-nos maravilhar com a explosão de pontos brilhantes suspensos na abóbada celeste. Se nos dermos a esse momento, se verdadeiramente nos deixarmos invadir por essa ideia de profundo infinito, voltaremos ao nosso lugar de seres simbólicos, intimamente ligados à natureza e à sua inexorável rotação, finalmente reconectados com uma busca transcendente por sentido que, ao contrário de nos angustiar, antes nos concilia com a mais pura condição humana. Olhe para cima e volte a encontrar-se.

Observatório Astronómico de Pampilhosa da Serra  

Não sendo um projeto de caráter puramente científico, o Dark Sky Aldeias do Xisto apoia-se e tira partido de infraestruturas já existentes no território, como é o caso do Observatório Astronómico de Pampilhosa da Serra, localizado no Porto da Balsa. Trata-se de um equipamento único no Hemisfério Norte que permite rastrear e detetar satélites, assim como monitorizar os detritos espaciais que podem danificar esses satélites. Além da vertente científica e de investigação, esta estação é um espaço com forte propensão para o astroturismo. A ideia passa por tornar a estação acessível a visitantes, dando-lhes a oportunidade de manusearem os equipamentos disponíveis e/ou utilizarem os seus próprios equipamentos.

Consórcio de parceiros

O Dark Sky Aldeias do Xisto é liderado pela ADXTUR, em parceria com a Associação Dark Sky Alqueva, e é financiando pelo Centro 2020 e Turismo de Portugal. Completam a rede de parceiros iniciais a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, o Instituto de Telecomunicações da Universidade de Aveiro e a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. A implementação do projeto Dark Sky Aldeias do Xisto foi formalizada a 8 de julho de 2021, na Aldeia do Xisto de Fajão, Pampilhosa da Serra, com a assinatura de um protocolo que une 24 entidades, estreita e diretamente envolvidas no desenvolvimento territorial. Fortalecer ligações estratégicas, gerar oportunidades económicas e sociais, desenvolver produtos turísticos exclusivos, salvaguardar o património natural e construído e promover a qualidade de vida das populações são algumas das linhas centrais do documento.